sexta-feira, 25 de março de 2016

TSAV - ENCOMENDA




TSAV - ENCOMENDA

Levítico: 6:8 a 8:36
Jeremias 7:21 a 8:3 
Hebreus 8: 1 a 6

Lev.: 6: 8 e 9 (Vaycrá 6: 1 e 2) - "Disse mais O Eterno a Moisés: Encomenda a Arão e a seus filhos, dizendo: Esta é a instrução do Holocausto: O Holocausto ficará na lareira do Altar toda a noite até pela manhã, e nela se manterá aceso o fogo do altar."

Pronto Deus está no meio de nós, dos homens, e agora?
Pronto foi feito o Bris de mais um yehudi; e agora?
Pronto foi feito ao Bar Mitzvah de mais um Benei Israel; e agora?
Pronto quebrou-se mais uma taça! MAZAL TOV! E agora?
Pronto entreguei a minha vida pra Yeshua, e agora?

O Eterno pessoalmente veio e consagrou para Si, O Mishkan, e então o serviço precisava ser indiciado. Depois de MOSHE que teve toda a visão celestial da Tenda do Encontro, e cuidadosamente fez tudo segundo O Eterno lhe mostrara, ainda não se vê livre de sua comissão, porque toda a estrutura montada era para que O Sistema Sacrificial e a Adoração e a Intercessão pudesse se iniciar.

Não era de um Santuário que DEUS precisava neste mundo. O Santuário era necessário para que os Sacrifícios e a Adoração e a Intercessão começassem a ocorrer, para que NOVAMENTE O ETERNO, pudesse se relacionar, agora não mais com um homem numa geração toda, mas, com toda uma nação de sacerdotes. Este era o Plano de Deus para todo Israel.

Nesta Parashhá vemos MOSHE RABEINU, durante 7 dias oficiando, servindo como sacerdote, enquanto Arão e seus filhos estavam sendo consagrados. Todas as ordenanças que recebeu, MOSHE cuidou de realizar como exemplo, como modelo, para todas as gerações futuras de sacerdotes que viriam a existir.

I Cor. 11:1 - "Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo."  

Na figura real de um SHALIACH (Um apóstolo), Moshe mostra que nem tudo em nossa vida é Glória, é a Manifestação da Presença Gloriosa do Eterno; O êxtase de um Culto, quando percebemos Deus se derramar sobre nós e cada pessoa experimentar e testemunhar da Sua Bondade e Poder.
A maioria dos momentos de nossas vidas aqui nesta Terra é de viver dignamente em nossas atitudes diárias, cotidianas, corriqueiras, rotineiras com devoção a Deus, com determinação de que tudo o que fazemos é para Ele que fazemos.

Moshe ensina exatamente o que era para ser feito, como lidar com a condição de estarmos separados de Deus por causa do pecado, e segundo O Sacrifício de Abel, temos de novo acesso ao "SHA'AH" ao Olhar de Deus, à Consideração do Eterno, à Sua Aprovação pelos sacrifícios que lhe apresentamos para que Ele possa nos aprovar em todas as demais áreas de nossas vidas, e enfim no OLAM HABA (No Mundo Vindouro), possa nos receber para sermos seu povo Eternamente.

O que Abel fez; tipo de Adoração e base de todo o Sistema Sacrificial que se deu no Mishkan, apontava para O SACRIFÍCIO PERFEITO, que era necessário ocorrer, assim como O Eterno prometeu a Avraham Avinu, quando não permitiu que este tirasse a vida de seu filho, na promessa vindoura de que O Próprio Deus, entregaria O Seu Filho, O MASHIACH BEN YOSSEF, O Servo Sofredor, para que não mais com sangue de animais indefesos e inocentes, pudéssemos ser aprovados diante de SUA SANTIDADE, mas pelo Sangue de um verdadeiro TSADIK, o único homem que jamais pecou em todos os dias de sua vida, e ainda assim se entregou por amor de todo o mundo, para que todo aquele que Nele crer, não pereça, mas, tenha A Vida Eterna.

Os Sacrifícios exigidos eram:

OLAH - Holocausto - Oferta inteiramente queimada - Oferta de Ascensão
CHATAT - Oferta pelo pecado
ASHAM- Oferta pela culpa
SHELAMIM TSIBUR - Oferta de Paz pela Comunidade
MINCHAH - Oferta de cereais

SHELAMIM YACHID - Oferta de paz de uma pessoa
TODÁ - Oferta de Gratidão
BECHOR - Um animal macho primogênito
MAASSER BEHEMAH - O Dízimos dos animais
PÊSSACH - Sacrifício de Páscoa

Todos estes sacrifícios, pormenorizados pelo que deveria se entregar, de que forma, o que se poderia comer e quem poderia comer, o que ninguém poderia comer, porque seria inteiramente queimado ao Eterno. Todos eles apontam para O Sacrifício perfeito de Deus.

A nossa vida tornou-se tão complexa, com situações que envolvem coisas pessoais, familiares, comunitárias, cidadãs, congregacionais, ministeriais, acadêmicas, profissionais, etc., que costumamos separar coisas que envolvem nosso culto a Deus, ou nosso envolvimento com os irmãos, com as outras atividades de nossa vida e suas implicações. Separamos o SANTO do PROFANO, e consideramos que Deus nos vê apenas quando estamos em nossas igrejas, sinagogas, quando estamos orando, cantando, ofertando, participando de algum ministério, e agimos muitas vezes como se Deus não estivesse olhando, ou não estivesse sendo notado, quando tocamos a nossa vida, além das poucas horas que passamos por semana congregados com nossos irmãos.

A questão é que Deus é Deus, e nada pode nos separar de Seu Amor, no Mashiach Yeshua. Em todo tempo Ele é bom, em todo tempo Ele olha por nós.

Moshe e toda a Congregação de Israel contraiu um Santuário para que Deus habitasse no meio de seu povo, e Deus veio habitar. Ter O Criador do Universo conosco, em nós, nos faz um povo diferente de todos os outros povos, isso é uma grande honra e um grande privilégio, porque "Se Deus é por nós, quem será contra nós?"

Quando tratamos no entanto com indiferença a Presença de Deus em nossas vidas, e em todas as nossas atividades, seremos por certo os primeiros a sofrer as consequências, porque O Amamos e não se pode simplesmente desprezar a Presença de Deus no meio de nós.

Deus imediatamente após ter CONSAGRADO O MISHKAN, ordenou todo o sistema sacrificial, para que o povo em seus pecados e delitos, em suas alegrias e virtudes, pudesse se relacionar com O Deus tão santo que não pode suportar o pecado - Hab. 1:13 - "Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal e a opressão não podes contemplar;..." 

Infelizmente percebemos que Deus ter vindo morar em nosso meio e mesmo dentro de nós, não nos livrou de uma vez do pecado e de suas consequências mortais em nossas vidas. Na verdade tudo o que era necessário para que o pecado não mais nos dominasse, nos influenciasse, nos prendesse, estava manifesto ali diante dos olhos de todos, através do Sistema de Sacrifícios ordenados por Deus. Embora diante de todos isso não impediu que Israel pecasse e fosse impedido de entrar em Eretz Israel com aquela geração. Mesmo depois da Conquista da Terra Israel pecou tanto a ponto de ser dividido e se tornar duas nações e como se não bastasse ainda foi para a dispersão e para o cativeiro...

A Redenção é um Processo. Um processo em nossa vida, um processo no povo de Deus.

Há um momento em que alguém reconhece a necessidade de Deus em sua vida, e reconhece em Yeshua O Seu Único Salvador. Neste momento, vendo-se absolutamente morto por causa do pecado, tal pessoa se vê perdoada e amada por Deus pelo Sacrifício de Jesus. Tal pessoa começa a caminhar cheio de gratidão e amor por Deus, mas, infelizmente cai tantas vezes, que o Encontro com Deus, não pode ser algo assinalado no passado como um Certificado de Batismo, mas, como um relacionamento de dependência, dedicação e devoção pelo resto da vida.

O Fogo não pode se apagar!

Se outrora no Mishkan os cohanim recebendo o ofício de Moshe Rabeinu e sendo consagrados pelo Eterno para o serviço do Santuário, passaram o resto de suas vidas, servindo as pessoas em suas lutas diárias, em seus erros, em suas vitórias, em suas alegrias, em seus acertos. Hoje somos nós que não podemos permitir que O Fogo que foi aceso em nosso espírito se apague jamais, para que possamos ardentemente, como estilo de vida, servirmos as pessoas para manifestarmos O Reino Eterno em nossos dias e nos lugares aonde Deus nos colocou.

Havia ofertas que inteiramente eram queimadas para o Eterno, outras, os sacerdotes e suas famílias se beneficiavam delas, podendo comer de tudo o que era ofertado. A Vida é assim, esse processo. Somos um Reino de Sacerdotes. Não podemos ajudar a ninguém sem antes primeiro termos de buscar a Deus com o coração quebrantado e contrito por nossos próprios erros e pecados. Acabamos nos servindo assim uns aos outros. Assim como Arão e os demais sacerdotes receberam o seu Sacerdócio de Moshe, nós recebemos o nosso Sacerdócio não levítico, mas, segundo a Ordem de Melquisedeque, Sacerdócio perpétuo, O Recebemos do MASHIACH, que o revelou aos santos Apóstolos que nos abençoaram com seus escritos e testemunho e vida, para que nós em nossos dias pudéssemos nos relacionar com O Deus Santo num mundo tenebroso e corrompido como o nosso.

Os Cohanim e o Am Israel, nos dias do Mishkan viviam olhando para a Eternidade na expectativa da Terra Prometida e da Vinda do Mashiach e do SHABAT que só O Eterno poderia lhes dar.
Nós que fomos alcançados pelo MASHIACH nos confins da Terra, juntamente com o remanescente fiel de Israel, que vivemos olhando para a Eternidade gratos pelo que se manifestou através de Yeshua e que nos resgatou da morte para a vida, a fim de que a cada dia possamos experimentar a Vinda do MASHIACH BEN DAVID, de Yeshua que veio para morrer a nossa morte, para que pudéssemos viver a Sua Vida, que virá para Reinar em Yerushalaim, sobre todas as nações da Terra, para que possamos viver de fato O SHABAT que só O Eterno poderia nos dar.

Até lá nos vale ser fiéis mais um pouco; nos dedicarmos uns aos outros mais um pouco; permitir que O Sacrifício do MASHIACH nos SANTIFIQUE mais um pouco, e que focados no ETERNO nos achemos abençoados de ver a Redenção Completa de Israel e o Reino do Nosso Deus de Amor manifesto em toda esta Terra.

Assim como O Eterno TSAV - Encomendou - a Arão e aos Sacerdotes, sobre todo o ofício do Mishkan, que hoje, o que recebemos pelo EVANGELHO DA VERDADE, que nos foi TSAV ENCOMENDADO, ORDENADO pelo MASHIACH, possamos cumprir com todo temor e boa vontade, porque O Dia que YESHUA virá para reinar, O REI DO REINO está próximo!

MARANATA! VEM O SENHOR!!!!


KI MITZION TETZSEH TORAH
U´DEVAR ADONAI MIYERUSHALAIM!
(Porque de Sião sairá a Lei e a Palavra do Eterno de Jerusalém!)


Paulo de Tarso, Apóstolo
Igreja Apostólica Betlehem

Nenhum comentário:

Postar um comentário