sábado, 3 de janeiro de 2015

CONQUISTA & CULTURA



Veio ao meu coração uma palavra, que passei a repetir, porque esta Palavra entrou no meu coração:

“Numa conquista, é necessário que haja uma mudança de cultura”

...Na mesma hora, um universo de informações invadiu minha mente, lembranças de textos bíblicos, de histórias, de fatos que tenho visto, mas, achei tão sério o assunto, que resolvi, esperar um pouco. Talvez agora seja cedo demais, porém, como é uma ideia, um entendimento, creio que pode crescer, pode ser acrescido, corrigido, melhorado por muitas pessoas que poderão tornar-se os próximos a receberem entendimento sobre este tema: CONQUISTA  & CULTURA.

Partindo do nosso conhecimento bíblico de que o homem depois de ser expulso da Presença de Deus, percorreu muitos caminhos na tentativa de se religar a Deus. Certamente influenciado pelas forças da Maldade que o levaram à queda, passou a buscar apoio sobrenatural para a sua realidade de ter que buscar sustento, lugar de segurança, proteção contra situações da vida... Em todos os lugares para onde o homem se espalhou, ali buscava os seus deuses, buscava boa sorte para suas colheitas, buscava dominar seus medos, e tudo isso foi como que tecendo um manto cultural, que em sua essência nos liga e nos identifica uns com os outros, até o nosso ancestral comum.

Sem dúvidas Deus chamou a Avram (Abrão), nosso pai, de dentro de uma cultura recém refeita pela confusão de línguas e pelo êxodo depois da Torre de Babel. Ali restou um povo que adorava o Sol e a Lua, e cultuava as estrelas, e fazia para si muitos ídolos, profissão de Terah, pai de Abrão.

Deus chama Abrão e o saca dali, desta Cultura, desta maneira de relacionar-se com o mundo espiritual, com as necessidades sociais, familiares, para uma nova Terra, uma Terra Prometida.

Sob os olhos de qualquer outra religião, cultura, Abrão entendeu que um deus o chamou, ou criou esta história para justificar sua mudança de realidade, sua busca pelo novo. Para nós, O Criador dos Céus e da Terra, o Criador do ser humano, chamou Avram e com ele deu início a um povo, coisa que sonhou fazer com Adão, e este rejeitou.

Abrão quando chega na Terra Prometida, encontra o lugar absolutamente habitado. Uma profusão de culturas, vários povos, diferentes entre si, com um ancestral comum: Canaã, o neto Amaldiçoado de Cam, filho de Noé. Nos dias de sua peregrinação Avram foi estabelecendo sua família, no meio daqueles povos. Foi adquirindo o respeito de alguns dos governantes da Terra, foi fazendo aliança com alguns deles, mas, não permitiu que os cultos, a maneira que aqueles povos se relacionavam com o Mundo espiritual o influenciasse, ou contaminasse aqueles que estavam debaixo da sua autoridade.

Abrão, conduzido pelo Deus que o havia chamado desde Ur dos Caldeus, agora está entre os Caananitas, não saiu daquela Cultura, para deixar contaminar-se por esta. Manteve-se fiel Àquele que o chamou, e este foi o maior legado para seu filho e para seus descendentes.

Séculos depois, os descendentes de Avraham (Abraão – Pai de povos), ainda não possuíam uma Terra, para ali serem livres para desenvolver sua Cultura, seu modo de vida, baseado no relacionamento com Deus, vivido e ensinado pelos Patriarcas e pelos anciãos, que naqueles séculos guardaram o que eram os pilares desta formação Cultural proveniente do Céu.

José, um dos Patriarcas, adquire posição de tamanho respeito dentro da cadeia de poder do Egito, que tornando-se Governador do Egito, provê para sua família um lugar numa região de criação de gado (já que seus irmãos e parentes cuidavam de animais), coisa impensável para a cultura egípcia, pois estes adoravam os bois, e não consideravam coisa boa ter de cuidar dos animais. Assim perto de uma terceira cultura, a cultura dos egípcios, com os seus deuses, suas cidades, seus cultos, mais uma vez, o povo de Deus, formado a partir de Abraão, permaneceu separado por fidelidade Àquele que chamou O Nosso Pai Abraão da Terra e dos deuses de seus antepassados.

O mesmo Deus que chamou a Abraão, permite que uma criança que poderia ter sido morta por ordem do Faraó do Egito, tenha sido criada e por isso formada dentro da Cultura Egípcia. Que dicotomia! Como alguém que é formado numa cultura pode guiar um povo a uma outra?

A vida de Moisés é cuidadosamente dividida em três partes: A primeira de 40 anos, em que ele vive no Egito, e naturalmente passa a conhecer toda a cultura daquele povo, baseada nos seus deuses. 40 anos que passa no deserto, esquecendo-se da glória do passado. Foi neste tempo, em que O Deus que chamou a Abraão, que manifestou-se a Isaque e a Israel, apareceu a Moisés, para o chamar afim de que conduzisse o Seu povo da escravidão do Egito, para que o jugo fosse quebrado dos que foram criados como um povo para manifestarem a Cultura dos Céus. Desta vez seria diferente. Não mais sairiam de um lugar para outro, como já o tinham feito 3 vezes, para manterem-se isolados, mas, agora era chegada a hora da C O N Q U I S T A !!!!!!!!!!!!!!!!!!

O Terceiro momento da vida de Moisés é devotada a ensinar a geração que nasceu no deserto sobre a Cultura dos Céus, para possuírem a Terra Prometida.

Agora o povo seria conduzido para desarraigarem dela seus antigos habitantes e com eles a cultura dos seus deuses, suas práticas, sua maneira de encarar a vida e de se relacionar entre si, para que a maneira de viver segundo o Relacionamento de Deus com seu povo pudesse ser estabelecido. Uma advertência então:                                                                  
"Quando, pois, o Senhor teu Deus te introduzir na terra que com juramento prometeu a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, que te daria, com grandes e boas cidades, que tu não edificaste, e casas cheias de todo o bem, as quais tu não encheste, e poços cavados, que tu não cavaste, vinhas e olivais, que tu não plantaste, e quando comeres e te fartares; guarda-te, que não te esqueças do Senhor, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão. Temerás ao Senhor teu Deus e o servirás, e pelo seu nome jurarás. Não seguirás outros deuses, os deuses dos povos que houver à roda de ti;" (Deu 6:10-14)

O Líder da Conquista foi Josué, servo de Moisés, herdeiro  de toda a Revelação que Deus deu ao seu povo para que pudesse conquistar e viver na Terra Prometida. No fim dos seus dias, a Conquista não  foi integral. Muitos povos permaneceram na Terra que Deus deu ao Seu povo, sob a ordem de que fossem totalmente exterminados. Isso tornou-se um laço contra o próprio povo:

"Era Josué já velho e avançado em anos, quando lhe disse o Senhor: Já estás velho e avançado em anos, e ainda fica muitíssima terra para se possuir." (Jos 13:1)

"Pelo que se acendeu contra Israel a ira do Senhor, e ele disse: Porquanto esta nação violou o meu pacto, que estabeleci com seus pais, não dando ouvidos à minha voz, eu não expulsarei mais de diante deles nenhuma das nações que Josué deixou quando morreu; a fim de que, por elas, ponha a prova Israel, se há de guardar, ou não, o caminho do Senhor, como seus pais o guardaram, para nele andar. Assim o Senhor deixou ficar aquelas nações, e não as desterrou logo, nem as entregou na mão de Josué." (Jdg 2:20-23)

Se você não for um Conquistador, será um Conquistado!

Antes disso e depois disso, sempre houve guerras, sempre houve lutas por terras, para que uma nação pudesse subjugar a outra, e quando isso ocorria, a condição de que tal conquista se estabelecesse era que a maneira de viver, a cultura e os deuses do conquistador fossem agora exaltados entre os conquistados...
De onde surgiu isso? De Deus é claro! Isso está em nosso DNA, na formação do ser humano:

"Então Deus os abençoou e lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra." (Gen 1:28)

ENCHER A TERRA E SUJEITAI-A!

Os descendentes de Abraão, na Conquista da Terra não cruzaram O Jordão, para novamente se submeterem e fazer alianças com os povos da Terra, eles haviam passado pelo Sinai, receberam de Deus Constituição, os Mandamentos e Ordenanças, sabiam agora o que deveriam fazer na época do Plantio e da Colheita, sabiam, que a Terra que passaram para possuir, dependia das Chuvas, e que Aquele que está nos Céus de onde vêm as Chuvas, os abençoaria, desde que se mantivessem fiéis à Aliança feita por seus pais com este Deus Eterno no deserto.

Nesta conquista eles se beneficiariam da estrutura, do trabalho dos povos que anteriormente habitavam ali, mas, não poderiam em hipótese alguma, contaminarem-se com a CULTURA  e com os DEUSES, dos povos que foram desarraigados.

Aí está o grande desafio! ISSO É UMA ORDEM DE DEUS!

Sempre penso sobre o Éden: Havia a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. Quando o homem pecou ele conheceu o Bem? CLARO QUE NÃO! Ele já conhecia O BEM, Ele falava face a face com O ABA. Ele descobriu o Mal.

A desobediência gera morte. E muitos impulsionados, pelo mesmo que tentou Eva no Paraíso, querem dar só uma espiadinha na Cultura da Terra, acham que nós não podemos ser ET´S, neste mundo, e que para comunicar O Evangelho precisamos nos relacionar com as pessoas ATÉ AÍ TUDO BEM, e muitas vezes devemos praticar algumas coisas que as pessoas comuns fazem, por que nisso não há problema algum, não é?

NUMA CONQUISTA, É NECESSÁRIO HAVER UMA MUDANÇA DE CULTURA!

Deus fez do ser humano um conquistador, e o mundo espiritual da maldade, por conta disto, busca influenciar o ser humano para que através dele possa conquistar lugares e estabelecer nos cultos e na sua maneira de viver e de estabelecer vínculos familiares e sociais a cultura do Mundo Espiritual  de quem estão sujeitos.

Deus estabeleceu o povo de Israel para conquistar, para manifestar nesta Terra O Poder e O Amor do Deus que chamou Abraão da terra de seus antepassados, para que as nações vendo a Israel, conhecessem O Deus Único e Verdadeiro, e se prostrassem diante Dele, para que pudessem também ser salvos.

Em toda a Palavra, o desejo por Deus acerca das nações é claro: David, profetizando o reencontro de Jesus com O Pai, depois de sua morte e ressurreição escreve: “Pede-me e dar-te-ei as nações por herança e as extremidades da Terra por Sua possessão” – O Todo poderoso para isso prostraria todos os inimigos de Jesus sob os Seus pés. O que é isso? CONQUISTA!

O desejo de Deus pelas nações, pelos povos, pelas famílias, pelas vidas, não muda ou mudará o parâmetro estabelecido na Conquista do povo hebreu da Terra Prometida.

O Judaísmo não faz proselitismo, mas, em toda a história aqueles (até entre os egípcios), que buscaram abrigo sob as Asas do Deus Vivo, foram aceitos com amor, como Tamar, Rute, Raabe... Para eles a Terra Prometida era Israel, a partir deles ao Pedido de Jesus ao Pai, saiu do Trono da Graça a ordem para se alcançar o Brasil, os Tanaka, os Fernandes, os Oliveira, os todas as famílias da Terra... Como? Com Conquista!

Devemos levar O Reino de Amor às nações, às pessoas, e estes que forem atraídos com laços de Amor Eterno, devem, aprender a cultura dos Céus, devem aprender a falar a língua dos salvos, devem comer da Mesa do Cordeiro, devem não amar suas próprias vidas pra que neles, Cristo possa viver.

Israel foi conquistado pela Babilônia. A ordem imediata de Nabucodonozor foi: Que aprendam a falar a língua dos caldeus, que conheçam a nossa cultura, que comam de nossa mesa, e que seus nomes (que lembram o Seu Deus) sejam mudados. O que está acontecendo? A mãe de todas as prostituições está conquistando a Cultura dos Céus, revelada pelo Eterno aos Patriarcas, e estabelecido por seus Santos Profetas.

Há quem não se dobrou! Daniel, recusou-se a comer da mesa. Ele aprendeu a cultura, mas, isso não influenciou sua vida. Ele continuou fiel a Deus! Ele teve seu nome mudado para um nome que honrava Baal, deus  da terra, mas, quando ele escrevia assinava como Daniel. Ele foi levantado como o Chefe dos Magos, mas, não deixou de ser um profeta de Deus, e todos os dias, mesmo havendo uma Lei que proibia a oração a outros deuses que não os da Babilônia, ele três vezes por dia orava voltado para Jerusalém ao Deus Vivo.

“Como cantarei o cântico do meu Deus em terra estranha” – Os babilônios, queriam que os judeus cantassem os cânticos alegres de louvor ao nosso Deus, para os alegrarem, para demonstrarem que eram simpáticos às minorias e aos dominados... Mas, como fazer de algo consagrado a Deus, algo para divertir os que cultuam falsos deuses?

Quando o povo voltou para a Terra Prometida, um livramento maior do que a saída do Egito ocorreu ao povo de Deus, mas, havia neles marcas da dominação que permaneceram: Os nomes dos meses agora eram os nomes dos meses babilônios; o início do ano, não era mais o estabelecido pela Torah. O Aramaico a língua dos caldeus, agora é a língua oficial dos filhos de Abraão. A mistura dos cultos estabelecido no Reino do Norte, passa a ser assimilado em toda Israel. Há momentos de levantes como nos dias dos Macabeus, mas, Israel, passa do povo que veio para Conquistar e Estabelecer a Cultura dos Céus na Terra, como um joguete nas mãos de povos que serviam aos falsos deuses, porque eles não deram honra ao Nome do Deus Vivo e Verdadeiro.

Ouve e guarda todas estas palavras que eu te ordeno, para que te vá bem a ti, e a teus filhos depois de ti, para sempre, se fizeres o que é bom e reto aos olhos do Senhor teu Deus. Quando o Senhor teu Deus exterminar de diante de ti as nações aonde estás entrando para as possuir, e as desapossares e habitares na sua terra, guarda-te para que não te enlaces para as seguires, depois que elas forem destruídas diante de ti; e que não perguntes acerca dos seus deuses, dizendo: De que modo serviam estas nações os seus deuses? pois do mesmo modo também farei eu. (Deu 12:28-30)

O Sumo Sacerdote Yad ou Jadua, quando Alexandre, O Grande, marchou contra Jerusalém, fez com que todos os sacerdotes se vestissem de roupas sacerdotais, e abriram a cidade. Alexandre, com seu poder político, prostra-se diante do Sumo-Sacerdote, e todos acham que estão conquistando, mas, estão sendo conquistados. Em pouco tempo, há Ginásios e Estádios por todo Israel; O koiné (grego popular), passa a ser uma língua quase que universal; Se queimam as Torah, se proíbe as circuncisões, se proíbe o culto ao Deus de Israel, e no Santo dos Santos se estabelece o culto a Zeus, deus dos gregos...

Nas conquistas dos Mulçumanos sempre O nome de Alá é estabelecido, as mesquitas construídas, ou sinagogas e igrejas são convertidos em mesquitas; os que não aceitam a conversão são mortos, e logo vem os Chafaris, a comida, as vestimentas... Uma Conquista e a Implementação de uma cultura;

Nas conquistas dos Cruzados, os que não quisessem seguir a Igreja Romana eram mortos, os infiéis: judeus e mulçumanos mortos, e então construíram catedrais em Jerusalém, para se fazer esquecer o passado judaico e se perpetuar uma cultura idólatra, mesclada com os deuses Greco-romanos, transvestidos de personagens bíblicos. Os ritos, o culto, a liturgia, os dogmas, para que depois da Conquista se estabelecesse uma nova Cultura, a Cultura Católica Romana.

Quando a Cia de Jesus enviou missionários ao redor do Mundo, a pseudo-catequese só vinha depois do extermínio de milhares, porque? Havia uma guerra pela conquista de um novo território para Deus? Claro que não! Para o Sacro Império Católico de Roma... Depois disso: Claro, a catequese, o ensino aos pequenos, aos jovens, porque uma nova cultura estava sendo estabelecida. A cultura dos Céus? Claro que não! A cultura de Roma e de seus deuses, chamados de santos.

Quando O Império Britânico dominou boa parte do Mundo, o que era estabelecido: A Cultura da Rainha Vitória. É claro que nesta expansão muitos cristãos verdadeiros levaram o Evangelho ao redor do Mundo... Até hoje na África do Sul se toma o Chá das 5, porque? Porque uma cultura foi estabelecida lá pelos conquistadores.

E os EUA, não foram colonizadores na era da democracia, mas, estabeleceram seu império a partir das conquistas comerciais e da Propaganda. A Coca-Cola, a Ford, Hollywood, O Rock ´n roll, depois o “Sexo, drogas e o Rock ´n Roll”, o sexo livre, o anticoncepcional, o divórcio,  O “American´s  way of life” – e o Inglês como língua universal, como fora no passado o grego; todas estas são armas, ou ferramentas, para que o mundo inteiro fosse influenciado, porque? Estamos numa Guerra, e os conquistadores querem implantar a Sua Cultura.

A Cultura Britânica, ou Americana eram a Cultura dos Céus? Claro que não! Haviam lá cristãos sim, nascidos de novo, que levaram, e tem levado ao Reino dos Céus para vidas ao redor do mundo. Mas, e se Deus permitisse que o Brasil se transformasse num país muito rico e poderoso, e todos percebessem que como grandes nações do passado, chegara a hora do Brasil de conquistar o Mundo, o que seria estabelecido para uma nova cultura de nações conquistadas ou influenciadas pela cultura brasileira, seria a Cultura dos Céus? É claro que não! Mas, não seria de se esperar que com tanta influência e recursos, brasileiros cheios do Espírito pudessem ir às nações manifestando Cristo? Sim, mas, a Conquista não seria do Brasil, mas, do Reino de Deus.

O que quero dizer é que a Cultura do Brasil, não é a Cultura dos Céus, nem a Americana é, nem a Judaica, nem qualquer outra. A Cultura dos Céus, nos foi revelada por Deus através de Sua Palavra, e todos estes que citei, muitos influenciados por características impressas por Deus nas nações, lutam para manifestar o seu jeito de ser e de fazer... Isso faz parte do caráter conquistador do ser humano, mas, a Cultura dos Céus, não é deste Mundo... Vem de Deus, através da Bíblia Sagrada e do Espírito de Deus.

Em toda conquista, é necessário que seja estabelecida uma nova Cultura!

O Conquistador YESHUA HAMASHIACH!

"E, aproximando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos." Mat 28:18-20

O Deus de Amor, manifesto em Jesus, ordenou a seus discípulos que fossem por todas as nações, para fazer discípulos, para se estabelecer uma nova cultura (ensinando  a observar todas as coisas que vos tenho mandado). O que é isso? Uma conquista!
A base desta conquista não pode ser outra do que foi a Conquista da Terra Prometida, e a derrocada do povo de Israel deve servir de advertência e de exemplo para nós hoje e sempre!

"Agora, ó nosso Deus, que diremos depois disto? Pois temos deixado os teus mandamentos, os quais ordenaste por intermédio de teus servos, os profetas, dizendo: A terra em que estais entrando para a possuir, é uma terra imunda pelas imundícias dos povos das terras, pelas abominações com que, na sua corrupção, a encheram duma extremidade à outra. Por isso não deis vossas filhas a seus filhos, e não tomeis suas filhas para vossos filhos, nem procureis jamais a sua paz ou a sua prosperidade; para que sejais fortes e comais o bem da terra, e a deixeis por herança a vossos filhos para sempre." (Ezr 9:10-12)

Dar os filhas ou tomar as filhas.

O que para o povo de Israel, era uma advertência de não se misturar com os povos da Terra, para nós é uma advertência de que a MESCLA, a MISTURA, da cultura, dos princípios, do culto e da cultura do Reino dos Céus com o Cultura e os deuses do presente século, é algo inadmissível ao povo de Deus.
Porque não posso namorar com alguém que não seja de Deus, porque os valores que este mundo, esta cultura possui, não respeitará os valores e a cultura de Deus que há em nossas famílias. Ou conquistaremos, ou seremos conquistados! Não há um meio termo!

Se Deus disse pra não fazermos, é porque a probabilidade de sermos conquistados, é maior do que conquistar... não parece a mesma coisa da árvore do conhecimento do bem e do mal?

Não busqueis jamais a sua paz

Quer dizer pra gente não desejar, ou não fazer coisa alguma para que haja paz, entre os povos que não creem como cremos? Claro que não!

É não desejar o que eles consideram Paz. Há pessoas que fazem coisas que Deus não aprovam e que se sentem muito bem fazendo isso. Por exemplo: Dois namorados tem relações sexuais, e são apoiados pelos pais, que permitem que um durma na casa do outro, porque é melhor que seja aqui em casa do que em algum lugar perigoso, ou em promiscuidade com muitas outras pessoas... Esta paz que os pais sentem; e a paz que os namorados sentem, pois, quando confrontados respondem: Mas, nós nos amamos, sentimos que é algo puro, lindo o nosso amor...rssss É disso que a Palavra fala. A paz como o mundo dá não é a Paz que vem de DEUS!

Não busqueis a sua prosperidade

Como no caso da Paz, a questão não é que não queremos contribuir para que a sociedade onde estamos inseridos possa crescer economicamente e prosperar... É que não devemos ter para as nossas vidas, o padrão do Mundo de Prosperidade... O Evangelho da HStern, provou-se uma ROUBADA... É isso que é ter prosperidade de Deus? É certo que não!

Deus arrancou o povo do Egito, pois lá também eles se beneficiavam da prosperidade trazida pelas cheias do Nilo, e se alegravam também quando apareciam as primeiras rãs, sinal de que logo logo, a prosperidade chegaria... Pois os deuses que dão a prosperidade para os homens de Wall Street, para o nosso governo corrupto e inescrupuloso, certamente não podem ter de nós um sorriso de alegria e confiança, porque assim como os deuses do Egito foram abalados, o mundo todo está para ser abalado, porque O CONQUISTADOR, JESUS CRISTO, está vindo!

Antes de Jesus, o príncipe deste século, Satanás, tentará implantar o seu domínio de trevas. Se possível enganará os eleitos. Vai estabelecer sua conquista em todos os níveis, e a APOSTASIA da Igreja hoje, prova que aqueles que a poderiam resistir, estão aos poucos sendo conquistados...

“O Conhecimento do Eterno, encherá esta Terra, como as águas cobre o mar  “. Já sabemos quem vai ganhar. Porque estamos com os pés em dois barcos? Porque estamos amando esta vida, mais do que a Vida de Deus pra nós? Porque estamos tão apegados aos pepinos e as cebolas deste Egito, mais do que a possibilidade de sermos sacados desta realidade para vermos e participarmos da implantação do Reino.

Infelizmente não dá pra você servir a dois senhores. Ou você serve a Deus, O Eterno, ou a Mamom, o deus das riquezas. Se não estiver conquistando quando Jesus voltar, é porque você foi conquistado, e todos os que cultuam os falsos deuses e que possuem sua maneira de viver, e de ser feliz segundo os deuses da terra, serão destruídos. As casas que não construíram, as cidades que não edificaram, e os benefícios que não entesouraram, será herança para os que serviram O Rei do Reino, Yeshua que virá, e lançará no lago de fogo e enxofre, o Anti-Cristo e o Falso Profeta. Ele estabelecerá desde Jerusalém, a Cidade do Grande Rei, o seu Reino em Toda a Terra, e as espadas serão convertidas em arados, e a Paz do Eterno encherá todo este mundo. Eu oro para que haja paz em Jerusalém. A paz está no Reino do Rei Jesus, O Príncipe da Paz.

Ser mal interpretado, parecer um retrógrado, um extremista, um homem sem sensibilidade para as conquistas que nossa sociedade alcançou, não me espanta, e nem me entristece. Sou um conquistador! E meu trabalho é estabelecer uma cultura que é Eterna! Uma nova língua, novas leis, novos valores, uma nova maneira de pessoas se relacionarem entre si em suas famílias, em suas relações sociais, pessoais, comerciais... O Reino de Deus, não vem com aparência visível, o Reino de Deus está dentro de nós... Não estamos pra inventar algo novo! A GRANDE NOVIDADE É VOLTARMOS PARA DEUS!

Sei que não estou sozinho, na minoria por certo, mas, nunca estando o povo de Deus em minoria, temeu seus inimigos que o cercavam... Estamos agora oferecendo ainda a chance deles se renderem, pois a Palavra de Amor está em nossos corações e em nossas bocas: Esta é a palavra da Fé que pregamos: Se crerem em seus corações que Deus ressuscitou Jesus dentre os mortos, e confessarem com suas bocas, que Jesus é O Senhor das vossas vidas, serão salvos... Estamos prontos a gastar o tempo que for, para ensinar esta nova vida que Cristo nos deu com a sua morte e ressurreição, este reencontro do homem com o Seu Criador... Estamos prontos, a morrer por isso, por que vivemos para isso... Fazemos qualquer coisa para que qualquer um de qualquer forma possa experimentar deste Amor que nos foi dado por Jesus Cristo, mas... Não temos parte contigo ó Satanás!

Numa Conquista é necessário estabelecer uma 
NOVA CULTURA!

MARANATA, VEM O SENHOR!

Vem YESHUA, 

REI DO REINO E GOVERNA! 

Paulo de Tarso, Apóstolo
Igreja Apostólica Betlehem



Nenhum comentário:

Postar um comentário