terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Confirmados: Descendentes de Manassés – Toda a Palavra está se cumprindo

O Artigo abaixo fala de uma importante decisão do Alto Rabinato de Israel, mediante provas científicas de confirmar a descendência de Manassés, filho de José, uma das doze tribos de Israel de um grupo de moradores da India, há poucos anos atrás. Tivemos nossas atenções voltadas para a possibilidade de grupos talibãs, serem confirmados como descendentes da Tribo de Efraim. Este assunto é muito polêmico, e requer um bom debate à Luz das Escrituras, coisa que espero que possamos fazer nos próximos dias, porém o que é certo é que em Apocalipse as doze tribos estão novamente unidas, embora, com a excessão de duas (Dan e Efraim), o grande avanço da Genética nos últimos anos sempre deixou os estudiosos (como eu) deste assunto, atentos já que é a maneira de se comprovar a ascendência longínqua, mas, autêntica dos patriarcas de Israel. Vivemos a época mais empolgante da história, vamos estudar juntos...
Leia, se prepare e ore! O MASHIACH voltará para tomar sua noiva, e em breve virá para resgatar todo ISRAEL, e o remanescente fiel será salvo. MARANATA! YESHUA CHAI!

JERUSALÉM - Dois geneticistas tentarão identificar pela primeira vez se o principal grupo étnico que forma o movimento talebã, os pashtuns, tem origens bíblicas e se seus membros são possíveis descendentes de uma das tribos perdidas de Israel. O israelense Karl Skorecki e a indiana Shahnaz Ali tentarão descobrir se existe algum vínculo entre os pashtuns e a bíblica tribo de Efraim, informou nesta terça-feira, 12, o jornal Yedioth Ahronoth.


Essa tribo era uma das dez que formavam o reino de Israel, conquistado pelos assírios por volta do ano 722 a.C. e cujos habitantes foram deportados por toda a região. Antigas crenças indicam que algumas tribos chegaram até a Índia, onde conservaram suas tradições durante centenas de anos, mas acabaram integrados à cultura local.


Por sua vez, os pashtuns, que vivem no leste e no sul do Afeganistão e em diversas áreas do Paquistão, surgiram da região de Uttar Pradesh, no noroeste da Índia, não longe de onde supostamente foram assentados os israelitas deportados. Entre os pashtuns existem lendas que remontam sua origem ao Egito faraônico, ao sustentar que são descendentes de egípcios que fugiram com Moisés e se integraram entre os israelitas.


Para confirmar a possível relação, Ali comparará as provas genéticas que conseguiu no noroeste da Índia com as do israelense Skorecki, subdiretor do Hospital Rambam de Haifa e o maior especialista mundial em genética judaica.


Trata-se do primeiro estudo científico para tentar confirmar ou rejeitar às vezes milenares lendas e tradições mediante a busca de concordâncias genéticas. A investigação, pedida pelo Ministério israelense de Exteriores, durará de três meses a um ano.


Uma funcionária do hospital Rambam confirmou à Agência Efe a chegada de Ali, mas não forneceu mais informações sobre a investigação porque o diretor da equipe, Skorecki, está no exterior.


Em 2005, o Rabinato de Israel reconheceu a origem judaica de outra tribo de origem indiana, Lu-Shi, que se concentra em uma região próxima a Uttar Pradesh. Seu nome significa literalmente "Dez Tribos", e o Rabinato considerou com base em provas científicas, culturais e religiosas que seus membros são os descendentes da tribo de Mensahe, o irmão de Efraim. Os dois foram os únicos descendentes de José, filho favorito do patriarca Jacó, neto por sua vez de Abraão e que deu dupla herança territorial na Terra Prometida.


Sem que exista nenhuma prova, o estreito parentesco entre as duas tribos poderia explicar em princípio a proximidade geográfica que seus descendentes eventualmente elegeram para o exílio, ao contrário das outras oito tribos das quais nunca mais se soube notícia.


A Lu-Shi, uma tribo com 750 mil a 1,2 milhão de pessoas radicadas nas regiões de Mizoram e Manipur (nordeste da Índia), foi descoberta em 1979 por um rabino que se surpreendeu com seus rituais judeus. Entre estes rituais destaca o direito de uma viúva sem filhos a exigir do irmão de seu marido morto que lhe dê descendência. Além disso, têm uma bênção coletiva que declara: "nós os filhos de Menashe ainda levamos o legado".


Graças à decisão do Rabinato, mais de 1 mil dos agora chamados "Filhos de Menashe" foram amparados nos últimos anos pela Lei do Retorno ao Estado de Israel, em processo de nacionalização automática habilitada no início para judeus e seus descendentes até a terceira geração.